Sistema Normas Receita Federal - Acompanhamento diário da legislação atualizada da RFB

Página Principal imprimir documento
Instrução Normativa SRF nº 168, de 18 de junho de 2002
Multivigente Vigente Original Relacional
(Publicado(a) no DOU de 19/06/2002, seção , página 11)  

Dispõe sobre os requisitos necessários aos laudos técnicos emitidos para a concessão do benefício do drawback a matérias primas e outros produtos necessários ao cultivo de produtos agrícolas ou à criação de animais a serem exportados, e estabelece obrigações acessórias para as empresas beneficiárias.

O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL, no uso da atribuição que lhe confere o inciso III do art. 209 do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal, aprovado pela Portaria MF nº 259, de 24 de agosto de 2001, e tendo em vista o disposto no art. 16 da Lei nº 9.779, de 19 de janeiro de 1999, e no § 3º do art. 315 do Regulamento Aduaneiro, aprovado pelo Decreto nº 91.030, de 5 de março de 1985, e alterado pelo Decreto nº 4.257, de 4 de junho de 2002, resolve:

Art. 1º Os laudos técnicos justificativos dos limites quantitativos e qualitativos de matérias-primas e outros produtos importados, com o benefício do drawback, para o cultivo de produtos agrícolas ou a criação de animais a serem exportados, definidos pela Câmara de Comércio Exterior, bem assim as obrigações acessórias relativas à escrituração contábil da produção das empresas beneficiárias, observarão o disposto nesta Instrução Normativa.

Parágrafo único. Os laudos referidos neste artigo, apresentados ao órgão competente para fins de concessão do benefício, serão mantidos em poder do beneficiário para apresentação à Secretaria da Receita Federal (SRF) quando solicitada.

Dos Laudos Agropecuários

Art. 2º Os laudos técnicos emitidos para justificar os limites quantitativos e qualitativos de matérias-primas e outros produtos utilizados no cultivo de produtos agrícolas ou na criação de animais a serem exportados, denominados laudos agropecuários, deverão conter os seguintes requisitos fundamentais:

I - nome, endereço, telefone, número de inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) e ramo de atividade da pessoa jurídica solicitante;

II - nome e número da carteira de identidade, conforme conste da respectiva procuração que acompanhe a solicitação, no caso de pedido formulado por representante legal da pessoa jurídica interessada;

III - nome, CNPJ, endereço e telefone do órgão ou entidade que emita o laudo;

IV - análise crítica dos elementos técnicos que justifiquem os limites quantitativos e qualitativos, para cada uma das matérias-primas ou produtos objeto da solicitação de benefício do drawback;

V - percentual de perda normalmente admitida no manejo agropecuário, conforme o caso;

VI - indicação das fontes, referências bibliográficas e normas nacionais ou, se for o caso, na ausência destas, de normas internacionais empregadas na elaboração do laudo;

VII - cópias das fontes, referências bibliográficas e normas que guardem relação mais imediata e direta com as justificativas apresentadas no laudo.

§ 1º Os laudos agropecuários deverão ser apresentados em cópia-papel e em meio magnético (disquete ou CD-ROM).

§ 2º As normas internacionais que venham a ser anexadas aos laudos agropecuários devem ser traduzidas, nas suas partes relevantes ao caso concreto, para o idioma português.

§ 3º A tradução mencionada no parágrafo anterior será do tipo livre, podendo ser feita pela própria entidade que elabore o laudo.

§ 4º No curso das fiscalizações aduaneiras, eventuais falhas ou omissões existentes no laudo poderão ser sanadas pelo beneficiário, mediante apresentação de documentação complementar ou ou comprobatória.

§ 5º O laudo agropecuário que não contenha os requisitos mencionados nos incisos anteriores será considerado inválido para os fins de comprovação da aplicação do benefício, ensejando o lançamento dos impostos, multas e demais acréscimos legais cabíveis.

Art. 3º Os laudos agropecuários que versem acerca de matérias-primas deverão atender, ainda, aos seguintes requisitos específicos:

I - se produto puro ou contendo componentes menores oriundos do próprio processo produtivo:

a) nome comercial, vulgar e técnico;

b) propriedades físico-químicas, incluindo as organolépticas;

c) composição qualitativa e quantitativa, sendo esta expressa em percentagem peso por peso ou em partes por milhão;

d) se for o caso, mencionar os riscos e toxidez no seu manuseio, bem assim as medidas de segurança pertinentes;

e) principais usos, com destaque para aquele que tenha mais relevância para a obtenção do benefício de drawback;

f) forma de apresentação; e

g) tipo de embalagem.

II - se preparação:

a) nome, vulgar e técnico, de cada um dos componentes;

b) composição quantitativa, expressa em percentagem peso por peso ou em partes por milhão;

c) se for o caso, mencionar os riscos e toxidez no seu manuseio, bem assim as medidas de segurança pertinentes;

d) principais usos, com destaque para aquele que tenha mais relevância para a obtenção do benefício de drawback;

e) forma de apresentação;

f) tipo de embalagem.

§ 1º Para os fins deste artigo, entende-se preparação como sendo a mistura intencional de produtos puros ou produtos contendo pequenas quantidades de impurezas, destinada a um ou mais usos específicos.

§ 2º Na composição quantitativa a que se refere a alínea "c" do inciso I e a alínea "b" do inciso II deverão ser incluídas as concentrações dos metais pesados e de todos os componentes cujos teores máximos permissíveis estejam regulados em legislação específica.

§ 3º Os métodos analíticos para a determinação da composição qualitativa e quantitativa deverão ser resumidamente apresentados, bem assim seus limites de confiabilidade, com 95% de probabilidade, limite de detecção, testes de exatidão e precisão e outros parâmetros estatísticos pertinentes e assecuratórios da qualidade do laudo.

Art. 4º Os laudos agropecuários que versem sobre outros produtos utilizados no cultivo de produtos agrícolas ou na criação de animais a serem exportados, conforme previsto no § 2º do art. 315 do Regulamento Aduaneiro, deverão atender aos seguintes requisitos específicos:

I - se produtos semi-elaborados:

a) denominação, vulgar, técnica e comercial, das matérias-primas que lhes deram origem;

b) descrição do processo de fabricação, incluindo, quando houver, as etapas de purificação;

c) se for o caso, mencionar os riscos e toxidez no seu manuseio, bem como as medidas de segurança pertinentes;

d) principais usos, com destaque para aquele que tenha mais relevância para a obtenção do benefício de drawback;

e) forma de apresentação;

f) tipo de embalagem.

II - se produtos semi-acabados:

a) descrição e especificações técnicas;

b) outros aspectos julgados pertinentes pela entidade emissora do laudo, que justifiquem a concessão do benefício.

III - se produtos utilizados na embalagem, acondicionamento ou apresentação do produto ou animal a ser exportado:

a) descrição e especificações técnicas;

b) outros aspectos julgados pertinentes pela entidade emissora do laudo, que justifiquem a concessão do benefício.

§ 1º Para os fins deste artigo, entende-se por produto:

a) semi-elaborado, aquele cujas matérias-primas, de origem animal, vegetal ou mineral, não tenham sofrido modificação de natureza química;

b) semi-acabado, o produto industrializado que, a despeito de reunir as principais características que permitam a sua identificação, ainda não se encontra pronto e próprio para consumo final.

§ 2º Nos casos de omissões ou falhas relativas aos requisitos previstos nos incisos anteriores, aplicam-se as disposições contidas nos §§ 4º e 5º do art. 2º.

Das Obrigações Acessórias da Empresa Beneficiária

Art. 5º A empresa beneficiária deverá escriturar e manter o Livro Fiscal de Controle da Produção e do Estoque, modelo 3, de que tratam o inciso III e o § 2º do art. 345 do Regulamento sobre Produtos Industrializados (RIPI), aprovado pelo Decreto nº 2.637, de 25 de junho de 1998, observadas as disposições daquele Regulamento e as adaptações previstas nesta Instrução Normativa.

§ 1º A escrituração do livro fiscal será feita no prazo de cinco dias, contados da data de emissão do documento a ser escriturado.

§ 2º A escrituração será encerrada no último dia de cada mês, somando-se as colunas, quando for o caso.

§ 3º Os documentos que servirem de base para a escrituração do livro de que trata o caput também deverão ser mantidos em poder do beneficiário, para apresentação à SRF quando solicitado.

§ 4º O livro só poderá ser utilizado depois de registrado na Junta Comercial, devendo ser lavrados os Termos de Abertura e de Encerramento.

Art. 6º Para efeitos desta Instrução Normativa, o Livro Fiscal de Controle da Produção e do Estoque destina-se ao controle quantitativo e qualitativo da produção e do estoque de:

I - matérias-primas e outros produtos importados e utilizados no cultivo de produtos agrícolas ou na criação de animais a serem exportados;

II - produtos agrícolas a serem exportados;

III - animais a serem exportados.

§ 1º Serão escriturados no livro os documentos fiscais relativos às entradas e saídas de matérias-primas ou produtos referidos nos incisos I a III deste artigo, objeto do benefício de drawback, bem assim os documentos de uso interno, referentes à sua movimentação no estabelecimento.

§ 2º Os registros serão feitos operação a operação, devendo ser utilizada uma folha para cada espécie, marca e tipo de produto.

Art. 7º Os registros serão feitos da seguinte forma:

I - no quadro "Produto": identificação do produto;

II - no quadro "Unidade": especificação da unidade (quilograma, litro etc.);

III - no quadro "Classificação Fiscal": indicação do código da Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM);

IV - nas colunas sob o título "Documento": espécie e série, se houver, do respectivo documento fiscal:

a) número da Nota Fiscal de Entrada, da Declaração de Importação e da correspondente adição, para as operações de importação;

b) número da Nota Fiscal de Saída e do Registro de Exportação, para as operações de exportação;

c) número do ato concessório de drawback;

d) número do documento de uso interno do estabelecimento, correspondente a cada operação;

V - nas colunas sob o título "Lançamento": número e folha do Livro Registro de Entradas ou Registro de Saídas, em que o documento fiscal tenha sido registrado, bem assim a respectiva codificação contábil e fiscal, quando for o caso;

VI - nas colunas sob o título "Entradas":

a) coluna "Produção - No Próprio Estabelecimento": quantidade do produto resultado da produção no próprio estabelecimento;

b) coluna "Produção - Em Outro Estabelecimento": quantidade do produto resultado da produção em outro estabelecimento da mesma empresa ou de terceiros, com matérias-primas, produtos intermediários e material de embalagem, anteriormente remetidos para esse fim;

c) coluna "Diversas": quantidade de matérias-primas, produtos intermediários e material de embalagem, produtos em fase de fabricação e produtos acabados, não compreendidos nas alíneas anteriores, inclusive os recebidos de outros estabelecimentos da mesma empresa ou de terceiros, para produção e posterior retorno, consignando-se o fato, nesta última hipótese, na coluna "Observações";

VII - nas colunas sob o título "Saídas":

a) coluna "Produção - No Próprio Estabelecimento": em se tratando de matéria-prima, produto intermediário e material de embalagem, a quantidade remetida do almoxarifado para o setor de fabricação, para industrialização do próprio estabelecimento; no caso de produto final, a quantidade saída, a qualquer título, de produto resultado da produção do próprio estabelecimento;

b) coluna "Produção - Em Outro Estabelecimento": em se tratando de matéria-prima, produto intermediário e material de embalagem, a quantidade saída para industrialização em outro estabelecimento da mesma empresa ou de terceiros, quando o produto final deva ser remetido ao estabelecimento remetente daqueles insumos; em se tratando de produto final, a quantidade saída, a qualquer título, de produto resultado da produção em estabelecimentos de terceiros;

c) coluna "Diversas": quantidade de produtos saídos, a qualquer título, não compreendidos nas alíneas anteriores;

VIII - na coluna "Estoque": quantidade em estoque após cada registro de entrada ou de saída;

IX - na coluna "Observações": anotações diversas.

Parágrafo único. No último dia de cada mês serão somadas as quantidades e valores constantes das colunas "Entradas" e "Saídas", apurando-se o saldo das quantidades em estoque, que será transportado para o mês seguinte.

Art. 8º A falta de escrituração do Livro Fiscal de Controle da Produção e do Estoque, ou a sua escrituração em desacordo com o previsto nesta Instrução Normativa, ensejará o recolhimento dos tributos suspensos no momento da importação, bem assim das multas e demais acréscimos legais previstos.

Art. 9º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

EVERARDO MACIEL

*Este texto não substitui o publicado oficialmente.
Página Principal imprimir documento
Sistema mais bem visualizado nos navegadores Internet Explorer 6 e Mozilla Firefox 3.5 ou superiores.